Que tal se tornar um Rocketman?

Não sei se você sabe mas eu adoro filmes, de todos os tipos! E, quando vi o trailler do Rocketman, logo pensei:

– Nossa! que filme divertido, acho que será uma história legal!

Gigantesca ingenuidade a minha!!!

O começo do filme parece até ser divertido, com aquela roupa dele todinha colorida parecendo fantasia de Carnaval, porém logo nos primeiros minutos já dava para notar que o que eu achava que veria…. bom, seria totalmente diferente!

Para minha surpresa o filme contou sobre a trajetória de vida do extremamente talentoso mas muito tímido, o pianista prodígio Reginald Dwight que um belo dia após uma sugestão de um colega de trabalho muda seu nome para Elton John.

Me desculpem os fãs de Elton John por não ter conhecido antes sua história, o máximo que conhecia eram algumas músicas e somente as mais tocadas…

Não estou aqui para contar sobre todo o filme mas para dizer o porque ele vale muito a pena ser visto.

Na minha opinião e isso independentemente se toda a história foi 100% verídica ou não, foi a forma como a história foi contada.

Quantos de nós passamos por diversos problemas na vida, maus tratos, bulling, discriminação, assédio, stress, burnout, depressão entre outras tantas palavras que se fossemos colocar dentro de um estádio de futebol as pessoas que passaram por isso, não caberiam?

[convertkit form=1015243]

Pois é, a vida é sempre cheia, muito cheia de desafios e um ponto muito importante é a forma como olhamos para cada um deles.

Em diversos momentos, é possível acreditar que a vida não tem jeito, que você já tentou de tudo e que realmente você está certo sobre seus pensamentos e sentimentos, pois assim como você não existe ninguém, apenas você quem está sofrendo e que não está sendo visto, amado, respeitado, valorizado, etc.

Mas, pegando a história do próprio Elton John, posso dizer que para mim ela foi extremamente marcante, profunda e envolvente uma verdadeira lição de vida para a minha lista do que ver quando me sentir triste e quem sabe, te ajude também.

Passar por tudo o que ele passou, chegar ao fundo do poço por 2 vezes, quase morrer e de repente, virar a página e perceber o que poderia fazer de diferente para que sua vida pudesse mudar foi uma atitude muito respeitosa e talvez se ele não tivesse passado por tudo o que passou ele não seria o Elton John que conhecemos, talvez ele seria apenas o Reginald Dwight, e não chegaria onde chegou.

Pensando nesta história, será que você também precisaria mudar de nome? Não necessariamente, mas você pode sim, buscar novas forma de agir e interpretar o mundo à sua volta.

Quando pequenas mudanças acontecem e elas dependem do seu agir no mundo, coisas incríveis podem acontecer. Continuar agindo conforme as regras que a sociedade impõe à risca, será que realmente vale a pena em prol de agradar ou se encaixar? Não quero dizer aqui abolir estas regrinhas, mas sim buscar equilíbrio.

Como fica aquela pessoa, você, que se olha no espelho quando age desta forma? Você consegue realmente ter e fazer tudo o que gostaria?

Que tal ser um pouco mais Elton John e menos Reginald Dwight? Que tal abraçar sua criança interior e dar para ela todo o amor, carinho, respeito, palavras de amor que você sempre sonhou receber e que até hoje ainda sente falta?

Desafie-se, não custa nada tentar!

Brilho e oportunidades temos o tempo todo, basta apenas ampliar a visão e estar aberto ao diferente, ao novo, ao acaso e quem sabe assim você começa a escutar mais seu coração.

Se você assistiu o filme ou se identificou com este texto, coloque aqui seus comentários.

Beijos no seu coração e até breve.

2 thoughts on “Que tal se tornar um Rocketman?

  1. Eu, como fã do cara desde os meus 13 anos, lá pelos anos 70, colecionadora dos discos amei o filme também. Mas dou um crédito enorme ao ator, que ao invés de ser um ghost colocou ele mesmo no filme, cantando com a própria voz e atuando sem precisar ser cópia fiel. Achei ótimo o que você escreveu Melina, a vida dele foi assim e muito mais. O filme fez um recorte, o que também foi bom para poder focar no que o diretor queria. Não apareceu a grande amizade com a Lady Di e ele cantando no funeral dela. Foi emocionante. Mas é uma lição que a vida é curta e devemos ter mais ação do que mímimi. Se a vida foi ingrata com ele, bola pra frente, vamos atrás das coisas boas. As vezes o caminho é tortuoso, mas chegamos lá!

    1. Adorou o que escreveu inclusive não sabia que era fã dele! Eu tb virei depois deste filme! Como disse, é bem por ai mesmo, é preciso mais ação para que a mudança aconteça 🥰

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Facebook Linkedin Instagram YouTube Pinterest
Olá! Que bom te ver por aqui! ☺️
Envie para WhatsApp 💬
%d blogueiros gostam disto: